0
0
0
s2sdefault

 

Por Ive Andrade

Com mais de mil alunos em sua unidade na capital paulista, o Teatro Escola Macunaíma chega ao seu 35º aniversário com um projeto de expansão que leva cursos de teatro para outras seis cidades espalhadas pelo estado de São Paulo. O diferencial é que não são escolas de teatro. São faculdades e colégios que incluíram em suas grades extracurriculares o programa de artes cênicas. “Nosso intuito é difundir e levar a arte para esses lugares. Em São Paulo existe uma variedade de cursos e fora do estado existem apenas alguns pólos centralizados. Queremos democratizar a arte”, explicou o diretor do Macunaíma, Luciano Castiel.
Depois da implementação do projeto, no tradicional colégio paulistano Pueri Domus, em março, o Macunaíma segue para as Faculdades Veris, do grupo IBMEC, e Pitágoras, além dos colégios Gutenberg, Marconi e Dottori. Os cursos – em Campinas, em Sorocaba, em Jundiaí, em Mogi das Cruzes, em Guarulhos e em São Miguel Paulista – não se limitam às paredes das escolas e tiveram inscrições abertas à comunidade. “O plano de expansão foi uma ação conjunta entre nós e as escolas, ao longo dos últimos quatro meses”, revela  o diretor do Macunaíma.

Formação de atores-cidadãos
Para Castiel, a diferença entre os alunos que procuram a sede, em São Paulo, e os que buscam o curso não é tão grande quanto parece. “Existe uma euforia vinda de ambas as partes, de quem busca o curso básico na escola com a intenção de ser ator e os outros que veem esse como um trabalho de evolução pessoal e acabam se apaixonando pelo teatro, querendo se tornar atores”, diz Castiel, acrescentando que a metodologia da escola não tem foco apenas na arte do teatro. “Os ensinamentos da arte não se limitam às salas de aula. Temos o hábito de lidar com os obstáculos dos alunos, desde emocionais até físicos. Muito mais do que teatro, nós pretendemos educá-los para a vida, criando atores cidadãos, criativos e auto-suficientes.”
A arte no campo da lógica
Como fazem parte da grade extracurricular, os cursos não são obrigatórios, mas têm obtido retorno positivo em lugares nos quais a arte, geralmente, perde espaço para os estudos matemáticos e de lógica. “Temos sido muito bem recebidos em faculdades de administração, que ficaram durante muito tempo separadas da arte. Hoje o corporativo descobriu a arte como necessária, importante, algo que faz parte da construção do ser humano”, frisa o diretor, que acredita que a ideia principal do projeto é democratizar a arte para esse público que nem sempre esteve ligado a ela.
A metodologia da escola, que trabalha com o Teatro de Verdade e o método de formação de atores desenvolvido por Stanislaviski, é fundamental no processo de expansão. “Temos uma metodologia sólida, que pode ser levada a qualquer lugar, mesmo para alunos que ainda vão aprender o bê-á-bá”, explica Castiel. “Somos uma das maiores escolas de teatro do Brasil, o que a gente faz é teatro, não é vídeo, comercial ou televisão. Teatro é o que a gente acredita”.

Inscrições
Ainda dá tempo de se inscrever para os cursos bimestrais distribuídos pelo estado de São Paulo. O preço médio dos cursos é de R$ 96 por mês. Para mais informações entre no site da escola: www.macunaima.com.br